Skip Navigation

Foto cortesia do Expositor Cristão.

Moraes foi reconduzido ao cargo durante a Conferência da IAMSCU promovida na Universidade Madero em Puebla, México, entre os dias 27 e 31 de maio.

Reitor da UNIMEP é reconduzido ao cargo de presidente da iamscu

 

Por Angela Rodrigues*
30 de agosto de 2017

O reitor da Unimep, professor Marcio de Mo­raes, foi reconduzido ao cargo de presidente da Associação Internacional de Escolas, Faculdades e Universidades Metodistas (IAMSCU). A Associação é integrada por representantes de instituições metodistas de ensino localizadas em mais de 70 países e reúne mais de 1,2 milhão de alunos/as.

Moraes foi reconduzido ao cargo durante a Conferência da IAMSCU promovida na Universidade Madero em Puebla, México, entre os dias 27 e 31 de maio. O encontro teve como tema Derrubando Muros – Um Caminho para a Paz, Saúde e Humanidade.

O reitor destaca que esses também estão dentre os temas que a Unimep trata e busca em seu dia a dia. “Representamos o coletivo das instituições educacionais metodistas, e o desafio que temos é o de formar jovens que sejam os/as futuros/as líderes no mundo e possam influenciar positivamente, considerando os referenciais cristãos, para que tenhamos uma sociedade mais justa e fraterna, solidária e cidadã”, afirma.

É a segunda vez que Moraes desempenha o cargo de presidente da Associação. Ele foi empossado pela primeira vez para essa função em 2014. Já no pe­ríodo de 2011 a 2014, ele exerceu a vice-presidência da IAMSCU.

Entre os possíveis resultados para o Instituto Educacional Piracicabano da Igreja Metodista (IEP) e para a Unimep com a recondução ao cargo, Moraes aponta a realização de parcerias com outras instituições metodistas de educação. Além disso, o reitor destaca as contribuições da IAMSCU para a educação em geral.

“Promover o intercâmbio de estudantes, professores e pessoal técnico administrativo é um dos grandes objetivos e, por meio dessa ação, aproximar as pessoas para que entendam que, independentemente do local (país) onde vivemos, da respectiva cultura e costumes, podemos ajudar uns aos outros para que a educação seja, de fato, como já o é em alguns países do mundo, prioridade para o desenvolvimento das pessoas”, pontua ele.