Skip Navigation

Formação da Igreja Metodista Unida

 

Tradução e adaptação: Sara de Paula *
06 de maio de 2018

Be sure to add the alt. text

O Bispo Reuben H. Mueller, da Igreja Evangélica dos Irmãos Unidos (à esquerda) e o Bispo Metodista Lloyd C. Wicke (à direita), cumprimentam-se em 23 de abril de 1968. Foto cedida pela Comissão Metodista Unidade Arquivos e Historia.

VERSION EN ESPAÑOL

A Igreja Metodista Unida foi criada em 23 de abril de 1968, quando o Bispo Reuben H. Mueller, representando a Igreja Evangélica dos Irmãos Unidos, e o Bispo Lloyd C. Wicke da Igreja Metodista deram as mãos na Conferência Geral constituinte em Dallas, Texas.

Com as palavras "Senhor da Igreja, estamos unidos em Ti, na Tua Igreja e agora na Igreja Metodista Unida", a nova denominação nasceu de duas igrejas que tinham histórias distintas e ministérios influentes em várias partes do mundo.

Tradições teológicas imersas na Reforma Protestante e no Wesleyanismo e relacionamentos que datavam de quase duzentos anos facilitaram a união.

Raízes (1736–1816)

Juan e Carlos Wesley e o reavivamento evangélico na Inglaterra

Todos os cristãos wesleyanos e metodistas estão ligados às vidas e ministérios de Juan Wesley (1703-1791) e de seu irmão, Carlos (1707-1788). Juan e Carlos eram padres da Igreja da Inglaterra, e se voluntariaram como missionários na colônia da Geórgia, onde chegaram em março de 1736. Sua missão estava longe de ser um sucesso absoluto, e ambos voltaram para a Inglaterra desiludidos e desestimulados, Carlos em dezembro de 1736 e João em fevereiro de 1738.

Os irmãos Wesley tiveram experiências religiosas transformadoras em maio de 1738, sob a influência de missionários da Morávia. A experiência de Juan em 24 de maio daquele ano em uma reunião de Morávios na Rua Aldersgate, em Londres, tem um lugar de destaque na memória da Igreja. Pouco depois, os dois irmãos começaram a pregar uma mensagem de novo nascimento e santificação nas sociedades religiosas anglicanas, e ao ar livre para quem quisesse ouvir. Eles também estabeleceram instituições missionárias e filantrópicas para promover a mudança social.

O objetivo desse movimento era “reformar a nação, particularmente a igreja, e espalhar a santidade bíblica sobre a terra ”. Com o passar do tempo, surgiu um padrão de organização e disciplina. Incluía um conjunto de Regras Gerais, sociedades compostas de reuniões de classe (pequenos grupos nos quais os membros das sociedades Metodistas cuidam uns aos outros) e reuniões de bands (grupos confessionais menores divididos por gênero), todos conectados por pregadores leigos itinerantes.

Início  na  América, 1760-1816

O Metodismo na América começou sem autorização ou apoio da Inglaterra, com metodistas leigos imigraram para a América. Entre seus primeiros líderes estavam Robert Strawbridge, um fazendeiro imigrante que organizou o trabalho em Maryland, e na Virgínia por volta de 1760; Philip Embury e sua prima Barbara Heck, que começaram a trabalhar em Nova York em 1766; e o capitão Thomas Webb, cujos trabalhos foram instrumentais nos primórdios do metodismo na Filadélfia, em 1767. As primeiras sociedades metodistas incluíam a participação ativa de pessoas de ascendência européia e africana.

Para fortalecer o trabalho metodista nas colônias, Juan Wesley enviou dois pregadores leigos, Richard Boardman e Joseph Pilmore, para a América em 1769. Dois anos depois, Richard Wright e Francis Asbury foram enviados para apoiar as crescentes sociedades metodistas estadounidenses. Asbury tornou-se a figura mais importante no início do metodismo estadounidense. Sua devoção energética aos princípios da teologia, ministério e organização wesleyana, moldaram o Metodismo na América de maneira inigualável a maneira de qualquer outro indivíduo.

A primeira conferência de pregadores metodistas nas colônias foi realizada na Filadélfia, em 1773. As dez pessoas que participaram prometeram lealdade à liderança de Wesley e concordaram que, como leigos, eles não administrariam os sacramentos. Os metodistas receberiam os sacramentos do batismo e da Ceia do Senhor em uma igreja paroquial anglicana local. Eles enfatizaram a forte disciplina entre as sociedades e pregadores. Um sistema de conferências regulares foi inaugurado, similar àquele que Wesley havia instituído na Inglaterra, para conduzir os interesses do movimento metodista.

A revolução estadounidense impactou profundamente o metodismo. A lealdade de Juan Wesley ao rei e seus escritos contra a causa revolucionária não realçaram a imagem do metodismo entre muitos que apoiavam a independência. Além disso, vários pregadores metodistas se recusaram a portar armas para ajudar os patriotas.

Quando a independência da Inglaterra foi conquistada, Wesley reconheceu que as mudanças eram necessárias para o metodismo estadounidense prosperar. Ele enviou Thomas Coke para a estados Unidos para supervisionar o trabalho com Asbury. Coke trouxe consigo um livro de orações intitulado “O Serviço Dominical dos Metodistas na América do Norte”, preparado por Wesley, que incorporava sua revisão dos Trinta e Nove Artigos de Religião da Igreja da Inglaterra. Richard Whatcoat e Thomas Vasey, que Wesley ordenara, acompanhavam Coke. As ordenações de Wesley estabeleceram um precedente que finalmente permitiu aos metodistas na América tornarem-se uma igreja independente.

Em dezembro de 1784, a famosa Conferência de Natal dos pregadores, foi realizada em Baltimore, na Lovely Lane Chapel. A maioria dos pregadores estadounidenses compareceu, provavelmente incluindo os afro-americanos Harry Hosier e Richard Allen. Neste encontro, o movimento tornou-se organizado como a Igreja Metodista Episcopal na América. Nos anos seguintes, a Igreja Metodista Episcopal publicou sua primeira Disciplina (1785), adotou uma Conferência Geral quadrienal, a primeira realizada em 1792, e redigiu uma Constituição (1808). Também estabeleceu uma editora e tornou-se uma proponente do reavivalismo e da reunião campal.

Duas outras igrejas estavam se formando na Estados Unidos, que, em seus primeiros anos, eram compostas quase que inteiramente de pessoas de língua alemã. O primeiro foi fundado por Philip William Otterbein (1726-1813) e Martin Boehm (1725-1812). Otterbein, um pastor reformado alemão, e Boehm, menonita, pregaram uma mensagem evangélica semelhante aos metodistas. Em 1800, seus seguidores formalmente organizaram a Church of the United Brethren in Christ (Igreja dos Irmãos Unidos em Cristo), que incluiu uma organização semelhante de pregadores itinerantes. Otterbein participou da Conferência de Natal e participou da ordenação de Asbury.

Uma segunda igreja, a Evangelical Association (Associação Evangélica), foi iniciada por Jacob Albright (1759-1808). Albright, um fazendeiro luterano e fabricante de azulejos do leste da Pensilvânia, se converteu na Igreja dos Irmãos Unidos, e participou de uma reunião de classe metodista. Mais tarde, ele estabeleceu sua própria conexão de pregadores, para melhor para alcançar colegas de língua alemã. A Associação Evangélica foi oficialmente organizada em 1803.

As primeiras tentativas de fundir essas igrejas falharam. Na época da morte de Asbury, em março de 1816, Otterbein, Boehm e Albright também haviam morrido. As igrejas que eles criaram sobreviveram e estavam começando a se expandir numericamente e geograficamente. As igrejas alemãs se uniram em 1946 como a Evangelical United Brethren Church (Igreja Evangélica dos Irmãos Unidos), que por sua vez se uniu à Igreja Metodista em 1968 para formar a United Methodist Church (Igreja Metodista Unida).

Fonte: Livro de Disciplina da Igreja Metodista Unida - 2016. Copyright 2016 da Casa Publicadora Metodista Unida. Usado com permissão.

Uma imagem do "Clube da Santidade" dos Wesleys, reunidos em Oxford, baseado em uma litografia do século 19. Imegen foi usado com permissão da Coleção Metodista da Universidade de Drew.

 

Reavivamento e crescimento (1817–1843)

O Segundo Grande Despertar foi o desenvolvimento religioso dominante entre os protestantes no Estados Unidos durante a primeira metade do século XIX. Através de reavivamentos e reuniões campais, os pecadores experimentaram a conversão. Pregadores de circuito e pastores leigos buscam uni-los em uma conexão. Esse estilo de fé e disciplina cristã, era muito agradável para os metodistas, irmãos unidos e evangélicos que favoreciam a ênfase no experiencial. Os membros dessas igrejas aumentaram dramaticamente, assim como o número de pregadores que os serviam.

Esperava-se que os pregadores e leigos estivessem seriamente comprometidos com a fé e a missão. Os pregadores deveriam possuir uma conversão sadia e um chamado divino, bem como demonstrar dons e habilidades para o ministério frutífero. Os benefícios financeiros eram escassos. O compromisso dos membros gerais foi exibido em sua disposição de se submeter à disciplina de suas igrejas. Os metodistas, por exemplo, eram estritamente guiados pelas Regras Gerais adotadas na Conferência de Natal de 1784, ainda incluídas no Livro de Disciplina do Metodismo Unido. Eles foram oientados a evitar o mal, fazer o bem e usar os meios da graça fornecidos por Deus. Aqueles que não aderissem à Disciplina seriam removidos da associação.

A estrutura das igrejas Metodistas, Irmãos Unidos e Associação Evangélica, permitiu que elas funcionassem de maneira a apoiar, consolidar e expandir seus ministérios. As classes locais poderiam surgir sempre que algumas mulheres e homens estivessem reunidos sob a direção de um líder de classe. O pregador itinerante, que tinha uma agenda de compromissos sob seus cuidados, visitava regularmente. Esse sistema atendia às diversas necessidades das cidades, grandes centros ou da fronteira. As igrejas poderiam ir para as pessoas onde quer que elas se instalassem. Conferências anuais sob liderança episcopal forneciam o mecanismo para admitir e ordenar o clero, nomear pregadores itinerantes para suas igrejas e fornecer-lhes apoio mútuo. Conferências gerais, reunindo-se quadrienalmente, foram suficientes para estabelecer o curso principal da igreja, incluindo a criação da Disciplina pela qual foi governada.

A Methodist Book Concern, organizada em 1789, foi a primeira editora da Igreja nos Estaods Unidos. A Evangelical Association e a United Brethren também autorizaram a formação de agências de publicações no início do século XIX. Dessas imprensas, veio uma sucessão de hinários, disciplinas, jornais, folhetos e revistas. Geralmente, os lucros eram designados para o apoio e bem-estar dos pregadores aposentados ou carentes e suas famílias.

O período de fundação não esteve isento de sérios problemas, especialmente para os metodistas. O conflito entre a estrutura e os valores do Metodismo e as normas culturais estadounidenses (especialmente sobre o episcopado, a raça e a escravidão) algumas vezes levaram à discussões. Em 1792, James O'Kelly fundou os Republican Methodists (metodistas republicanos) para reduzir a autoridade dos bispos. Richard Allen (1760-1831), um escravo emancipado e pregador metodista que foi maltratado causa de sua raça, deixou a igreja e em 1816 organizou a The African Methodist Episcopal Church (Igreja Metodista Episcopal Africano). Por razões parecidas, a African Methodist Episcopal Zion Church (Igreja Metodista Episcopal Zion) foi iniciada em 1821. Em 1830, cerca de 5.000 pastores e leigos deixaram a denominação, pois não iriam conceder representação aos leigos ou permitir a eleição de presbíteros (superintendentes distritais). Esse novo corpo foi chamado de The Methodist Protestant Church (Igreja Protestante Metodista), que em 1939 uniu-se à Igreja Metodista Episcopal e à Igreja Metodista Episcopal do Sul, para se tornar a Igreja Metodista. Em 1843, os pregadores abolicionistas Orange Scott e Luther Lee, formaram a Igreja Metodista Wesleyana, superando a fraca posição do Metodismo com relação a proibição da posse de escravos.

Mesmo com essas tensões, o Metodismo se espalhou para novas culturas e para o exterior. O pregador metodista afro-americano, John Stewart, iniciou uma missão não autorizada com os indígenas Wyandot em Ohio, no ano de 1815, que foi aprovada pela Conferência Ohio em 1819. Outro pregador americano africano, Daniel Coker, que tinham sido ordenado por Asbury e participou na organização conferência da Igreja Episcopal Metodista Africana, estava entre os oitenta e oito emigrantes que vieram para a África em 1820, assistidos pela Sociedade Americana de Colonização. Ainda no mar, ele organizou uma igreja. O grupo desembarcou no que hoje é a Libéria. O trabalho missionário na África foi realizado principalmente por leigos até 1833, quando Melville Beveridge Cox se tornou o primeiro missionário da Igreja Metodista Episcopal nomeado para a Libéria.

Outras instituições também se desenvolveram. Em 1841, Metodistas, Evangélicos e Irmãos Unidos tinham começado as sociedades missionárias denominacionais. As escolas dominicais eram encorajadas em todos os lugares onde poderiam ser iniciadas e mantidas. O interesse pela educação também ficou evidente no estabelecimento de escolas secundárias e faculdades. Em 1845, tinham instituido cursos de estudo para seus pregadores, a fim de garantir que eles tivessem um conhecimento básico da Bíblia, da teologia e do ministério pastoral.

Fonte: Livro de Disciplina da Igreja Metodista Unida - 2016. Copyright 2016 da Casa Publicadora Metodista Unida. Usado com permissão.

Juan Wesley (à esquerda) e Carlos Wesley (à direita) tiveram experiências religiosas transformadoras em maio de 1738 sob a influência de missionários morávios. A experiência de Juan em 24 de maio daquele ano em uma reunião com os morávios na Aldersgate Street, em Londres, teve um lugar de destaque na memória da Igreja.

Divisão nos Estados Unidos e Expansão no Exterior (1844-1860)

Juan Wesley foi um ardente opositor da escravidão. Em 1789,the General Rules (as Regras Gerais) foram adotadas oficialmente pelo metodismo estadounidense. Uma regra que proíbe a participação na escravidão, considerada necessária na Inglaterra, foi incluída, mas à medida que o Metodismo se expandia, essa proibição era relaxada ou não reforçada quando a escravidão era legal. Como a associação abrangia regiões, classes e raças, a disputa sobre a escravidão acabou dividindo o Metodismo em igrejas separadas do norte e do sul.

Na Conferência Geral de 1844, as facções pró-escravidão e anti-escravidão enfrentaram o episcopado, a raça e a escravidão. Seu conflito mais sério dizia respeito a um dos cinco bispos da igreja, James O. Andrew, que havia adquirido escravos por meio do casamento. Depois de um acrimonioso debate, a Conferência Geral votou pela suspensão do bispo Andrew do exercício de seu cargo, desde que ele não pudesse, ou não quisesse, libertar seus escravos. Poucos dias depois, os dissidentes elaboraram um plano de separação, que permitiu que as conferências anuais em estados escravagistas, pudessem se separar da Igreja Metodista Episcopal, a fim de organizar a sua estrutura eclesiástica própria. O Plano de Separação foi adotado e as bases estabelecidas para a criação da Igreja Metodista Episcopal do Sul.

Delegados dos estados do sul se reuniram em Louisville, Kentucky, em maio de 1845, para organizar sua nova igreja. Sua primeira Conferência Geral foi realizada no ano seguinte em Petersburg, Virgínia, onde uma Disciplina e um hinário foram adotados. A Igreja Metodista Protestante foi também afetada pela controvérsia escravidão, dividindo-se em 1858 e reunindo-se em 1877. Os Irmãos Unidos e a Associação Evangélica, sendo concentrada nos estados do norte, foram capazes de evitar a luta apaixonada que fraturou a Igreja Metodista Episcopal.

Apesar do conflito e da divisão no pais, o Metodismo continuou a se expandir no exterior. Em 1847, Judson D. Collins, Moisés C. White, e sua esposa Jane Elizabeth Altwater desembarcaram em Fuzhou, China, sob os auspícios da Sociedade Missionária da Igreja Metodista Episcopal. Apesar de um início lento, as lições valiosas da Sociedade Missionária habilitaram Robert S. Maclay a entrar no Japão em 1873. Em 1885, William B. Scranton, sua mãe Maria F. Scranton, e Henry G. Appenzeller, começaram a trabalhar na Coreia. Metodistas americanos também estavam de olho no sul da Ásia. Em 1856, William Butler pousou em Kolkata com sua esposa, Clementina Rowe Butler (uma das futuras fundadoras da Sociedade Missionária de Relações Exteriores da Mulher), e dois dos seus filhos.

O Metodismo Europeu também começou, quando migrantes, marinheiros, soldados e outros que encontraram o Metodismo fora da Europa, compartilharam a mensagem na volta para casa. Ludwig Jacoby juntou-se aos metodistas depois de imigrar para Cincinnati em 1838. Ele retornou à Alemanha em 1849 e começou a reunir uma igreja em Bremen. A Associação Evangélica, com ligações étnicas e linguísticas para a Alemanha, enviou Conrad Link como seu primeiro missionário oficial à Alemanha em 1850. O marinheiro norueguês  Ole Peter Petersen, depois de ouvir metodistas em Charleston, Carolina do Sul, em 1845, pregou aos noruegueses e dinamarqueses nos Estados Unidos e a Noruega em 1849. A primeira congregação na Dinamarca foi estabelecida por Christian Willerup em 1856.

Fonte: Livro de Disciplina da Igreja Metodista Unida - 2016. Copyright 2016 da Casa Publicadora Metodista Unida. Usado com permissão.

Da Guerra Civil à Primeira Guerra Mundial (1860-1913)

A amargura entre metodistas do norte e do sul havia se intensificado nos anos que levaram à eleição de Abraham Lincoln em 1860, e depois através da carnificina da Guerra Civil. Cada igreja reivindicou sanção divina para sua região e orou fervorosamente para que a vontade de Deus fosse realizada em vitória para o seu lado.

A Guerra Civil devastou a Igreja Metodista Episcopal do Sul. Suas igrejas estavam em ruínas ou foram seriamente danificadas. Muitos de seus clérigos foram mortos ou feridos, e seus programas educacionais, editoriais e missionários foram interrompidos. A afiliação afro-americana diminuiu significativamente durante e depois da guerra. Em 1870, a Conferência Geral votou a transferência dos afro-americanos remanescentes para uma nova igreja, resultando na Colored Methodist Episcopal Church (Igreja Episcopal Metodista Negra) (agora A Igreja Episcopal Metodista Cristã). A Igreja Metodista Episcopal, Metodista protestantes, Irmãos Unidos, e evangélicos também perderam pregadores e membros, mas não sofreram a mesma perda econômica como o Metodismo do sul.

O período da Guerra Civil até a Primeira Guerra Mundial viu o crescimento na participação de todos os ramos do Metodismo, Evangélicos e Irmãos Unidos. O valor da propriedade da igreja aumentou dramaticamente, as escolas dominicais foram fortalecidas através do aumento do treinamento de professores, e as editoras mantiveram programas ambiciosos para gerar membros com literatura. Padrões educacionais mais altos para o clero foram cultivados e seminários teológicos foram fundados. O período também foi marcado por desenvolvimentos e controvérsias teológicas. O movimento de santidade, que enfatizava a experiência cristã de inteira santificação, juntamente com a ascensão da teologia liberal e do Movimento Social Evangélico, eram fontes de conflito.

Os segmentos rurais e mais pobres da igreja, especialmente aqueles associados ao movimento de santidade, eram céticos quanto ao prestígio e à riqueza. Um pregador metodista, Benjamin Titus Roberts, formou a Igreja Metodista Livre em 1860 para opor-se ao mundanismo, especialmente às grandes igrejas de classe média nas cidades, financiadas pelo aluguel de bancos. Em 1895, a Pentecostal Church of the Nazarene (Igreja Pentecostal do Nazareno), agora a Igreja do Nazareno, foi formado sob o incentivo de Phineas Bresee, um pregador Metodista Episcopal, presbítero e delegado das Conferências Gerais do 1872 e 1892. A meta para a nova denominação, fundada em 1894, era ter igrejas mobiliadas para receber os pobres onde a santidade era pregada.

Duas outras questões causaram debates substanciais nas igrejas durante este período: a representação leiga e o papel das mulheres. Os protestantes metodistas haviam concedido a representação dos leigos desde o tempo em que se organizaram em 1830. O clero na Igreja Metodista Episcopal, a Igreja Metodista Episcopal, Sul, a Associação Evangélica, e a Igreja dos Irmãos Unidos em Cristo foram muito mais lentos em permitir aos leigos a voz oficial. Não foi até 1932 que a última dessas igrejas permitiu a representação leiga.

Ainda mais controversa foi a questão da ordenação de mulheres e a elegibilidade para cargos e representação na igreja. As mulheres haviam sido ordenadas em denominações de santidade em 1860, e a Conferência Geral dos Irmãos Unidos aprovou a ordenação para mulheres em 1889. No entanto, a Igreja Metodista Episcopal e a Igreja Metodista Episcopal do Sul não ordenaram mulheres até bem depois de sua reunião em 1939.

1 A Associação Evangélica nunca ordenou mulheres. A representação leiga para as mulheres também foi resistida. As mulheres não foram admitidas como delegadas das Conferências Gerais da Igreja Metodista Protestante até 1892, dos Irmãos Unidos até 1893, da Igreja Metodista Episcopal até 1904 e da Igreja Metodista Episcopal do Sul até 1922.

O trabalho missionário continuou a crescer nas agendas das igrejas. As mulheres formaram sociedades missionárias a partir de 1869 para educar, recrutar e arrecadar fundos para esses empreendimentos. Missionárias como Isabella Thoburn, Susan Bauernfeind e Harriett Brittan, e administradoras como Bell Harris Bennett e Lucy Rider Meyer, motivaram milhares de mulheres da igreja a apoiar missões domésticas e estrangeiras.

Programas missionários domésticos buscavam cristianizar as cidades. Os missionários domésticos estabeleceram escolas para os ex-escravos e seus filhos. Em 1871, a Igreja Metodista do Sul ordenou Alejo Hernández, tornando-o o primeiro pregador hispânico ordenado no Metodismo, embora Benigno Cardenas tivesse pregado em espanhol em Santa Fé, Novo México, em 1853. Ministérios metodistas significativos entre os americanos asiáticos foram instituídos durante este período, especialmente entre os imigrantes chineses e japoneses. Um leigo japonês, Kanichi Miyama, foi ordenado na Califórnia em 1887.

O metodismo continuou a se expandir na Ásia, Europa, África e América Latina. De 1870 a 1875, missionários metodistas embarcaram em campanhas de reavivamento na Índia, ao sul do rio Ganges, sob a liderança de James M. Thoburn e do famoso evangelista de santidade William Taylor. Esses esforços deram origem à Conferência do Sul da Índia em 1876. Thoburn também começou a trabalhar no Sudeste Asiático quando iniciou o trabalho missionário em Rangoon, Birmânia (Myanmar), em 1879. Em 1885, liderou o estabelecimento do trabalho metodista em Cingapura, que mais tarde expandiu-se para a Península da Malásia e Sarawak para se tornar a Conferência Anual da Malásia em 1902. A conferência também enviou o primeiro pastor metodista à Indonésia em 1905. O metodismo chegou às Filipinas quando Thoburn organizou o trabalho em Manila em 1899, que cresceu rapidamente e se tornou a Conferência Anual das Ilhas Filipinas, em 1908.

Na Conferência Geral Episcopal Metodista de 1884, uma petição da Conferência da Libéria foi apresentada, pedindo um bispo residente na África. William Taylor foi eleito para o episcopado como bispo missionário para a África. Taylor foi com duas tarefas específicas: supervisionar a Libéria e expandir as missões no continente africano. Entre 20 de maio e 10 de setembro de 1885, a Igreja Metodista Episcopal fundou cinco pontos estratégicos para iniciar seu trabalho na Angola. Em 1886, o bispo e seu partido entraram no Baixo Congo. Taylor também visitou o rei de Portugal em 1886 e recebeu permissão para realizar trabalho missionário na África Oriental Portuguesa (Moçambique). Taylor estabeleceu igrejas auto-sustentadas no sul da Libéria, Serra Leoa, Angola, onde hoje é Moçambique e no Zaire. Em 1896, Joseph Crane Hartzell foi eleito Bispo para a África e, em 1897, a Igreja Metodista Episcopal chegou à Rodésia (Zimbábue). Durante este período, as conferências anuais, que não eram as dos Estados Unidos, foram organizadas regionalmente no que foi denominado “conferências centrais”.

1. A Igreja Metodista Episcopal ordenou as mulheres como “presbíteras locais” a partir de 1924. No entanto, a Igreja Metodista (1939) não concedeu plenos direitos clérigos às mulheres até 1956.

Fonte: Livro de Disciplina da Igreja Metodista Unida - 2016. Copyright 2016 da Casa Publicadora Metodista Unida. Usado com permissão.

Dos anos de guerra ao início do século XX (1914-1945)

Nos anos anteriores à Primeira Guerra Mundial, a Igreja Metodista Episcopal demonstrou sua preocupação com questões sociais ao adotar um Credo Social em sua Conferência Geral de 1908. Os problemas sociais também foram um estímulo ao movimento em direção ao ecumenismo e à cooperação inter-eclesial. Cada uma das denominações agora incluídas na Igreja Metodista Unida tornou-se ativa no Conselho Federal de Igrejas, o primeiro grande empreendimento ecumênico entre os protestantes estadounidenses. Havia também muita simpatia nas igrejas por negociação e arbitragem como uma alternativa ao conflito armado internacional. Muitos membros da igreja e clérigos, professavam abertamente o pacifismo. Quando os Estados Unidos entraram oficialmente na guerra em 1917, o pacifismo desapareceu. O patriotismo estadounidense foi identificado com um esforço de guerra.

Depois da guerra, as igrejas voltaram suas energias à mudança social. Uma de suas preocupações permanentes era a temperança, e eles foram rápidos em reconhecê-la entre suas maiores prioridades. Eles publicaram e distribuíram grandes quantidades de literatura com o tema temperança, enquanto membros prometeram que se absteriam de bebidas alcoólicas.

Houve fermentação teológica significativa durante este período. Fundamentalistas bíblicos e teólogos neo-ortodoxos questionaram a teologia protestante liberal e a acusaram de minar a própria essência da mensagem cristã. Uma vez que cada um desses partidos teológicos - fundamentalistas, neo-ortodoxos e liberais – estavam bem representada entre os precursores do Metodismo Unido. Disputas doutrinárias acaloradas estavam presentes nessas igrejas.

Apesar do conflito teológico interno, as igrejas continuaram a cooperar com outras denominações e agiram para curar conflitos anteriores. Uma divisão que ocorrera na Associação Evangélica em 1894 foi reparada em 1922, quando dois grupos se uniram como Igreja Evangélica.

Uma união numericamente maior ocorreu entre três corpos metodistas - A Igreja Metodista Episcopal, A Igreja Metodista Protestante, e A Igreja Metodista Episcopal do Sul. Representantes dessas igrejas começaram a se reunir em 1916 para elaborar um plano de união. Na década de 1930, sua proposta incluía a divisão da igreja unida em seis unidades administrativas chamadas jurisdições. Cinco destes eram geográficos; a sexta, a Jurisdição Central, era racial, incluindo igrejas afro-americanas e conferências anuais onde quer que estivessem geograficamente localizadas nos Estados Unidos. Os metodistas afro-americanos e alguns outros estavam preocupados com essa perspectiva e se opuseram ao plano. A maioria dos protestantes metodistas favorecia a união, mesmo que isso significasse governo episcopal, o qual eles não tinham desde que sua igreja foi organizada em 1830. Após aprovações esmagadoras nas Conferências Gerais e conferências anuais das três igrejas, elas foram unidas em abril de 1939, na Igreja Metodista. Na época de sua formação, a nova igreja incluía 7,7 milhões de membros.

O conflito na Europa estava esquentando de novo. Embora Metodistas, Evangélicos e Irmãos Unidos tenham publicado fortes declarações condenando a guerra e defendendo a reconciliação pacífica entre as nações, mais uma vez a força de suas posições foi largamente perdida com o envolvimento estadounidense nas hostilidades da Segunda Guerra Mundial.

Fonte: Livro de Disciplina da Igreja Metodista Unida - 2016. Copyright 2016 da Casa Publicadora Metodista Unida. Usado com permissão.

Entre os documentos do Rev. Albert C. Outler, localizado na Biblioteca Bridwell, está um rascunho do sermão pregado em 23 de abril de 1968, durante o culto realizado na Conferência de Unificação onde a Igreja Metodista Unida foi oficialmente formada. Foto cedida pela Coleção Especial da Biblioteca Bridwell da Escola de Teologia de Perkins da Universidade Metodista Do Soul.

 

Busca por unidade (1945-1968)

Quando a guerra terminou, as igrejas trabalharam ativamente para garantir a paz e a ordem mundial. Muitos leigos, pastores, bispos e agências da Igreja apoiaram o estabelecimento de uma organização mundial para servir como um fórum para a resolução de problemas sociais, econômicos e políticos internacionais. Em abril de 1945, seus trabalhos contribuíram para a fundação das Nações Unidas.

Durante esta época, houveram pelo menos três outros assuntos importantes que ocuparam a atenção das igrejas que agora formavam o Metodismo Unido. Primeiro, eles mantiveram sua preocupação pelo ecumenismo e pela união da igreja. Em 16 de novembro de 1946, em Johnstown, Pensilvânia, a Igreja Evangélica e a Igreja dos Irmãos Unidos se uniram à Igreja Evangélica dos Irmãos Unidos após vinte anos de negociação. Na época, a nova igreja incluía cerca de 700.000 membros.

A Igreja Metodista também estava interessada em estreitar os laços com outros corpos metodistas e wesleyanos. Em 1951, participou da formação do World Methodist Council (Conselho Metodista Mundial), sucessor das Conferências Metodistas Ecumênicas que começaram em 1881. Metodistas e Irmãos Evangélicos Unidos tornaram-se membros ativos do World Council of Churches (Conselho Mundial de Igrejas), fundado em 1948, e do National Council of Churches (Conselho Nacional de Igrejas), fundado em 1950. As duas igrejas também cooperaram com outras sete denominações protestantes na formação da Consultation of Church Union (Consulta da União da Igreja), em 1960.

Em segundo lugar, as igrejas demonstraram crescente desconforto com o problema do racismo na nação e na igreja. Muitos metodistas foram especialmente perturbados pela maneira pela qual a segregação racial foi construída no tecido de sua estrutura denominacional. A Jurisdição Central era um lembrete constante da discriminação racial. Propostas para eliminar a Jurisdição Central foram introduzidas nas Conferências Gerais de 1956 a 1966. Finalmente, os planos para abolir a Jurisdição Central foram acordados na união com os Irmãos Unidos Evangélicos em 1968, embora algumas conferências anuais afro-americanas tenham continuado por um breve período depois disso.

Em terceiro lugar, as igrejas debateram a ordenação de mulheres. A questão foi crítica para criação da Igreja Evangélica dos Irmãos Unidos. A Igreja Evangélica nunca havia ordenado mulheres. Os Irmãos Unidos tinham ordenado mulheres desde 1889. A fim de facilitar a união dessas duas igrejas, os Irmãos Unidos aceitaram a prática evangélica e a ordenação de mulheres foi interrompida. Metodistas debateram a questão por vários anos após sua unificação em 1939. A Igreja Metodista começou a ordenar mulheres em 1956. Nesse mesmo ano, as mulheres recebiam plenos direitos clérigos e podiam ser eleitas membros em plena conexão com uma conferência anual.

Fonte: Livro de Disciplina da Igreja Metodista Unida - 2016. Copyright 2016 da Casa Publicadora Metodista Unida. Usado com permissão.

Rev. Albert C. Outler pregando em 23 de abril de 1968, como parte do culto de adoração da Conferência de Unificação realizada na cidade de Dallas, Texas. Foto cedida pela Comissão Metodista Unida de História e História.

 

Metodismo Unido como Igreja Mundial, 1968-

Em 1968, a Evangelical United Brethren (Irmãos Unidos Evangélicos) e Methodist Church (Igreja Metodista) uniram-se. O status completo do clero para as mulheres foi incluído no plano de união. Desde então, um número crescente de mulheres foi admitido no ministério ordenado, nomeado para a superintendência do distrito, eleito para cargos de liderança denominacional e consagrado ao episcopado. Em 1980, Marjorie Matthews foi a primeira mulher eleita para o episcopado da Igreja.

Quando a United Methodist Church (Igreja Metodista Unida) foi criada em 1968, tinha aproximadamente 11 milhões de membros, tornando-se uma das maiores igrejas protestantes do mundo. Desde então, a igreja tem se tornado cada vez mais consciente de si mesma como uma igreja mundial com membros e conferências na África, Ásia, Europa e Estados Unidos. Embora a adesão mundial à Igreja Metodista Unida tenha crescido desde 1968, a adesão à Europa e aos Estados Unidos diminuiu, compensada por um crescimento significativo na África e na Ásia. Na África, a Igreja Metodista Unida expandiu as áreas episcopais para incluir a África Oriental, Serra Leoa, Costa do Marfim, Leste do Congo, Zimbábue, Moçambique e África do Sul.

Mudanças no estilo de adoração, a ascensão do movimento carismático, o crescimento do não-denominacionalismo e o surgimento de mega-igrejas desafiaram a igreja à medida que ela entrava em seu terceiro século. Mais do que tentar, a Igreja Metodista Unida teve de negociar mudanças culturais em relação a gênero e sexualidade, especialmente nos Estados Unidos e na Europa. Conflitos sobre a homossexualidade, casamento e aborto continuaram ininterruptos desde a formação da denominação. Esses debates abriram grandes brechas domésticas, internacionais e ecumênicas sobre a doutrina e a disciplina da Igreja.

A Igreja Metodista Unida continua a representar a confluência de três correntes de tradição: o Metodismo, a Igreja dos Irmãos Unidos em Cristo e a Associação Evangélica. Com outras igrejas que também são membros do corpo de Cristo, humildemente e agradecidamente oferece seu louvor a Deus através de Jesus Cristo e do Espírito Santo por criar e sustentar a graça. Procura ainda mais graça enquanto ministra ao mundo.

 

* Sara de Paula é tradutora independente.