Skip Navigation

Black Life Lessons/Lições de Vida Negra

 

By Cintia Listenbee


February is Black History month here in the United States. I believe the need to celebrate Black History is still great. African Americans went through so much injustice and through God's grace, acquired civil rights, which gives dignity to this strong and valiant people. I am not a U.S. citizen, but I am of African descent, which makes me part of a people who fought and won freedom.

Lessons
I learned to be proud of my blackness through the influence of my parents and grandparents in Brazil. They also taught me that the color of my skin does not equal inferiority. The most important thing in life is to look at the author and finisher of my faith, a God who has a wonderful plan for my life.

I have lived in the U.S. for 13 years and have learned many things about my upbringing in Brazil. One thing I noticed after moving to the U.S. is that my paternal great-grandfather was black. I did not notice it before because there was no need to question the skin color of my family members. Living in a society that at times separates us because of skin color changed the ways my eyes looked at family albums.

Another thing I experienced firsthand is that some light-skinned Brazilians living in the U.S. are prejudiced against black Brazilians. After experiencing a bad situation of racism in New York, I became hesitant about talking to light-skinned Brazilians because I am afraid of discrimination. I am asking God to change my heart. I know not all people discriminate.

When I visited my hometown in Rio de Janeiro, I noticed that sales people were not as eager to help me as they would a white person because of my skin color. When they saw that my credit card was international and I told them I live in the U.S., the first thing they asked me was, "Are you a maid in the States?"

Three years ago, I was off work and on my way to walk around a lake. I heard there was a Brazilian visiting my workplace, so I decided to say "hi." I was wearing a T-shirt and jogging pants. He looked at me up and down and asked if I cleaned the hotel where we were. These stories are only to show you that racism also exists among Brazilians. No matter where people suffer this injustice, God teaches us an unchangeable principle.

Overcoming evil with good
I believe God, our creator, loves all of our diversity. God created us the way we are on purpose, and God's love is everlasting. Humans are not perfect, but God is just. Romans 12:21, NRSV, says, "Do not be overcome by evil, but overcome evil with good." I believe the Civil Rights Movement led by the Rev. Martin Luther King Jr. was a great example of overcoming evil with good. I thank God for God's plan of equality and peace on earth. Black History Month is important, but not only in the United States, because we can pause to celebrate the achievements of blacks all over the world.

It is important for me to teach my two children to thank God for the freedoms we have as blacks; to share the histories of blacks in Brazil, the U.S. and Africa; and to help the African continent with their God-given resources.

Some of us already help Africa in different ways. My dream is to make an impact on the continent in the name of Jesus Christ, with both with the gospel and financial resources.

Let us pray for Blacks all over the world, especially those still suffering injustices because of the color of their skin.


--Cintia Listenbee is a journalist who blogs at www.simplycintia.com.


el Intérprete Online, enero-febrero, 2011

 

Lições de Vida Negra
No mês de Fevereiro aqui nos Estados Unidos comemoramos o Mês da História Negra (Black History Month). Essa comemoração é importante e ainda muito necessária. O negro americano passou por muita injustiça e com a graça de Deus conseguiram direitos civis que dão dignidade a essa gente forte e valente. Não sou americana, mas sou negra e assim como todo o povo afro, sou descendente de gente que lutou e conseguiu liberdade.

Lições
Aprendi a ter orgulho de ser negra com meus pais e avós no Brasil. Ao mesmo tempo também aprendi a não olhar pra cor da minha pele e me sentir inferior mas ter fé em Deus e seguir o caminho que Ele traçou pra mim. Aprendi muita coisa interessante sobre o Brasil quando mudei aqui pros Estados Unidos há 13 anos atrás. Uma das coisas que reparei depois que mudei pra cá, é que o meu bisavô era negro. Eu nunca prestei atenção pra isso e nunca questionei a cor dos meus familiares quando era criança. Morar em uma sociedade que por vezes nos separa pela cor da nossa pele, mudou o jeito que eu olhava para os meus álbuns de família.

Outra coisa que reparei aqui é que alguns Brasileiros (clarinhos) que moram aqui não gostam muito de negros brasileiros. Passei por uma experiência ruim em Nova Yorke, e depois disso sempre tenho cuidado e tento não falar com brasileiros aqui com medo do preconceito.

Quando volto pra casa (Rio) e estou em lojas de roupas por exemplo, as pessoas não ligam pra me atender porque sou negra. Quando vêem que o meu cartão de crédito é internacional, e eu digo que moro aqui, a primeira pergunta que recebo é se sou empregada.

Há uns 3 anos atrás encontrei com um rapaz metodista que estava visitando o lugar onde trabalhava aqui nos Estados Unidos. Eu estava a caminho da academia, então estava com uma roupa esportiva. Ele olhou pra mim (pra minha pele negra) e perguntou se eu trabalhava no hotel.

Essas histórias ilustram pra vocês que racismo não é só Americano que têm. Brasileiro também sofre desse mal.

Pagando o Mal com o Bem
Eu creio que Deus não faz acepção de pessoas. Ele nos criou de propósito e nos ama de maneira sublime. O ser humano é imperfeito, mas Deus é justo. Em Romanos 12:21 a Bíblia diz "Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem."

Eu acredito que o movimento civil liderado pelo Dr. Marin Luther King foi um exemplo de vencer o mal com o bem. Protestos pacíficos, pedindo a igualdade entre seres humanos criados por Deus. Graças a Deus pelo Seu plano de igualdade e paz na terra. O mês da cultura negra é importante porque é necessário celebrar tudo o que o povo Afro alcançou no mundo inteiro.

Como mãe de dois filhos negros, é importante ensiná-los:

  • a serem gratos a Deus pela liberdade que temos como negros;
  • a história do povo negro no Brasil, nos Estados Unidos e na África;
  • a ajudarem o continente africano com os recursos que Deus colocar no coração deles.

Alguns de nós ajudamos o povo africano com orações. O meu sonho é fazer uma diferença enorme no continente no nome de Jesus Cristo.

Peço que orem pelos negros no mundo todo, especialmente os que ainda sofrem injustiças por causa da cor da sua pele.

Obrigada Deus por me criares negra.



--Cintia Listenbee is a journalist who blogs at www.simplycintia.com.  Her new eBook is called “Tweeting with God.” http://www.simplycintia.com/p/ebook.html


el Intérprete Online, enero-febrero, 2011